segunda-feira, 22 de março de 2010

Fumar causa SOFRIMENTO.


O Cigarro

A verdade.
Manguinha nunca me imaginou com um corte de cabelo militar,
cigarro na boca, gastando 100 reais numa garrafa de uísque.

Talvez ele até se imaginasse assim.
Mas nunca EU.

Existem espécimes e espécimes. E todos indivíduos. Mas das espécies; Eu perteço há uma das mais estranhas.
Talvez não raras, mas estranhas.
Chame de patologia, como quiser. Talvez tenha mais haver com o pênis, e toda aquela análise Freudiana.
Não sei muito sobre isso.

Mas sei que me tornei bom nisso. Obsessão.
Dos bons mesmo, dos mais malucos. Já tive contato e matei meu Deus, já tive a fase Che e Hitler, já dancei valsa e
dormi bêbado na rua.

Mas o trabalho tem me privado disso.
Não há nescessidade, não há mais tempo...ano passado, eu andava aleatóriamente, fui ao Zoológico de madrugada,
Toca da Raposa, Mineirão, dei volta na Pampulha. Depois fui para aquelas colinas em que a cidade não chegou.
Andava três, quatro...ás vezes seis horas por dia. Sem rumo, nunca em direção ao centro, sempre do desconhecido.
Ás vezes saía de manhâ...chegava em casa, tomava um banho e saía denovo. Voltava de Madrugada.

Quando se vive num hospício, tem que fazer maluquices pra não ficar maluco.

Magia, Artes Maciais, Prostitutas, Filmografias, Movimentos Recolucionários, Conspirações.
Uma patologia com o pênis. Já fui em psicólogos. Mas nunca nem chegaram perto disso.

Huhum; elas diziam.

Ás vezes eu chorava.

Mas não adiantava...era o meu Teatro. Só queria que eles dissessem; Síndrome do Pânico, Bipolar ou Esquizôfrenico.
Ás vezes até fingia dupla personalidade. Chegava ao ponto de quase agredí-los só pra dizerem algo como; Agorafobia.

Mas só diziam; Huhum.
Ás vezes um remédio; só quando se fala sobre suicídio é claro.
Eu nunca tomava.

Não fumo a três dias. Não que queira parar...gosto de testar o controle, me divirto com a idéia de não ficar viciado. Fumei dois maços em duas horas nessa sexta numa boate, não apagava o cigarro. Estava sem isqueiro (quando se é
Garçon é comum que acabe deixando com os clientes), ascendia um no outro...mas hoje. Não fumo a três dias, nem sinto falta.
Não tem haver com vício. É uma obsessão. E já tenho ela desde meus... hum...14 anos acho.
Se não fosse o cigarro, seria futebol, culinária, música...já tive tantas.
Pior quando foram as mulheres,
uma mulher por vez...coitadas delas.

Elas não tinham culpa.

Tem haver com pênis, e puberdade acho. Não ouso falar sobre.
Por muito tempo falei sobre assuntos da qual não entendia...hoje não me atrevo há tanto.

Para saciar minha inquietude. Em três meses já tive três funções no trabalho; Auxiliar de cozinha, Barman agora Garçon.
E o resto deixo para cigarro e meu pulmão resolver.
A longo praso todo mundo sabe quem acaba vencendo.
Mas por hora...isso não é assunto meu. Que os dois resolvam para lá.
Pulmão e Fumaça se enfrentando.
Geralmente demora 20 anos para começar a afetar a saúde de forma preocupante.
Não me importo...joguei os dados.

Não sou mais arrogante.
Não sou mais um filósofo.
Não tenho mais aquela simpatia insinsera.
Sincero é como quero parecer. A verdade não brilha nem reluz.

Fato é que ISSO, essas Obsessões me fez único em muitas coisas pequenas.
Coisas que as pessoas olham e ficam impressionadas.

"Nossa queria ter essa sua letra"
"Nossa eu nunca pensei em Jesus dessa forma"
"Nossa nunca vi alguém desenhar desse jeito"
"Nossa você é o cara mais doido que conheci"
"Nossa você é o cara mais lerdo que conheci"

Não me envaideço;

O cigarro supre muitas dessas coisas.
A verdade é que há um bom tempo estou tentando matar o Manguinha.
Desde o fim da Libertadores do ano passado. Estudiantes campeão.
Não sei porque sempre me lembro dessa data.
Mas não se consegue de uma vez...talvez eu não queira,
não haveria graça...teria que ser aos poucos.

Sou um assassino cruel.
Quero ver ele patético.
Olhar para cima e implorar por perdão.

Ontem eu escutei;
"Nossa Ricardo, você é o cara mais doido que já conheci"

Ricardo.

Não precisei de um cabelo.
Não precisei de um desenho.
Não precisei de um bigode.
Não precisei fazer papel de idiota.
Não precisei de um discurso de gênio incompreendido.
E não precisei mentir.

Morra de inveja Manguinha.

2 comentários:

kuabara disse...

ok. Bom texto.

Livia Chagas disse...

Bom Trabalho Ricardo!